quarta-feira, 29 de junho de 2011

Qual o problema em ser alegre?

Ontem passou uma reportagem sobre manifestações pelo Brasil no Profissão Repórter. Como a TV estava ligada enquanto eu estava no computador, estava ouvindo a reportagem e vendo algumas partes. De repente, ouço um ser falar a seguinte frase: "nós amamos o homossexual, mas não amamos o homossexualismo". Oi? Quando o ser falou isso, não deve nem ter pensado. As pessoas são o resultado de tudo o que elas vivem, fazem e manifestam. Não é possível desligar uma coisa da outra. Como alguém pode amar o gay como pessoa, mas odiar o que ele representa? Não dá, né.

Pra mim, os gays representam alegria. Acho que é por isso que muita gente os recrimina. De certa forma, as pessoas têm inveja da coragem que eles têm em assumir sua opção sexual e seu estilo de vida sem medo de ser feliz e tendo orgulho de ser como são. Todo mundo gostaria de ter essa coragem. Além disso, a religião faz uma bela lavagem cerebral na cabeça de muita gente, não só em relação a esse assunto como em muitos outros. Tem gente que é contra a união gay simplesmente por ser, nem sabe explicar o porquê quando é questionada. Só sabe que está escrito na Bíblia que é errado, então segue como se fosse uma cabra cega. Gente, a Bíblia foi escrita pelo homem, não foi escrita por Deus com sua caneta Bic. Muita coisa que está ali foi inventada e modificada pelo homem por interesse, ok? Ou vocês acham que a submissão feminina foi Deus quem inventou? Enfim, isso é assunto para outro post. O fato é que algumas pessoas precisam parar mais para pensar e refletir sobre as origens e o motivo de seu preconceito em relação aos homossexuais e ao homossexualismo. Se pensarem com a sua própria cabeça e forem racionais, perceberão através de sua reflexão que estão totalmente equivocadas e que os gays merecem ter os mesmos direitos, deveres e respeito que os heteros.


O homossexualismo é a coisa mais antiga do mundo. As orgias que aconteciam na Roma Antiga e nas festas de Baco na Grécia Antiga, todo mundo pegava todo mundo, independente do sexo. Relações homossexuais eram permitidas entre os samurais, apesar do casamento ser proibido. O que tinha de rei que era gay que era obrigado a casar com uma princesa X por interesses políticos e pulava a cerca com seus belos criados, vixi... E isso ocorre ainda hoje em certas profissões em que, ainda, não “pega bem” assumir a homossexualidade. Agora só falta a sociedade deixar de ser hipócrita.

Eu simplesmente amo os gays. Já contei aqui sobre a minha primeira experiência em uma festa gay. Desde então, não saí mais desse mundo alegre. Se você quer se divertir, a festa gay é o lugar ideal! Não há sensação melhor do que se sentir completamente livre e bem-vinda em um lugar! Lá você pode aplicar o conselho dancing like no one is watching. Pode ter certeza: ninguém vai ter recriminar por nada o que você fizer de diferente. E o melhor: não existe violência. Aquelas confusões que você já presenciou em algumas boates ou já ouviu falar, não acontecem em festas gays. Isso porque todos estão lá pelo mesmo motivo: se divertir e ser feliz. Conheço novas pessoas e faço amizades em cada festa que vou, pessoas maravilhosas e divertidíssimas que tenho a oportunidade de conhecer, que não conheceria em outras ocasiões. Posso afirmar com propriedade que se os gays gostassem de mulher, estaríamos muito mais felizes, realizadas e satisfeitas. Mas, infelizmente para o mulheril, eles descobriram o que é bom na vida. Mesmo assim, fico muito feliz de poder ser amiga deles.

Não sei como tem gente que não gosta dos gays, sinceramente. Aposto que boa parte das mulheres que estavam nessa marcha ridícula têm cabeleireiros homossexuais e os adoram! Eu tenho o meu e o adoro. Ele é lindo, divertido e só ele entendeu meu cabelo direito até hoje, é um ótimo profissional. Não o troco por nada!


Achei justíssima a decisão de legalizar o casamento gay. Vários homossexuais já vivem juntos há vários anos, são casados, têm filhos (adotados ou não), só que não legalmente. Qual a diferença então? Por que a revolta de tanta gente com isso? Isso não está atrapalhando ninguém e não vai mudar nada pra ninguém, a não ser pra eles. Existem crianças adotadas e criadas por casais homossexuais que são muito mais felizes que muita criança criada por casais heterossexuais por aí, e não necessariamente também são homossexuais. Cada um tem a sua opção sexual, independente da opção dos pais/mães. Uma coisa é certa: essas crianças têm muito menos preconceito que a maioria. Vão sofrer preconceito e bullying na escola por causa da opção sexual dos pais, mas provavelmente saberão lidar muito melhor com essas situações.

Até agora, não entendi qual o problema em ser alegre. Só sei que a mentalidade da sociedade precisa progredir.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

O tabu foi quebrado, mas e agora?

Ontem assisti ao documentário Quebrando o Tabu, do diretor Fernando Grostein Andrade. O documentário trata do mundo das drogas, mostrando que a mesma existe desde muitos milhões de anos antes de Cristo e que sempre existirá apesar de qualquer esforço político. Bill Clinton, Jimmy Carter e outros ex-chefes de estado de alguns países, como Colômbia, México e Suiça, além do escritor Paulo Coelho, do médico Dráuzio Varella, do ator Gael García Bernal gato e também de pessoas comuns, dão seus depoimentos sobre o assunto baseados nas experiências, diretas e indiretas, que já tiveram com todos os tipos de drogas. Fernando Henrique Cardoso guia todo o documentário.

É um bom documentário, pois, como o próprio nome já diz, ajuda a quebrar o tabu de falar abertamente sobre as drogas com os filhos e com toda a família. Dá uma visão ampla da questão que muita gente, inclusive eu, não sabia, nunca tinha parado para pensar e/ou não tinha se tocado. Mostra como a Guerra às Drogas - War on Drugs - declarada pelos Estados Unidos há 40 anos só agravou ainda mais a situação na sociedade americana e mundial. Os resultados dessa guerra perdida, numa escala global, são abusos, informações equivocadas, epidemias, violência e o fortalecimento de redes criminosas.

O que achei mais legal no documentário foi ver as soluções encontradas por países europeus, como Portugal, Espanha, Suíça, França, Alemanha e Holanda, para diminuir significativamente o uso das drogas e a contaminação dos adictos por meio do compartilhamento de seringas. A mentalidade da população foi trabalhada sobre o fato de que pessoas viciadas não são criminosas, e sim doentes. Foi feita uma descriminalização das drogas, mas os viciados precisam pagar por isso, mas não através da justiça, como ocorria antes. Na Alemanha e na Suíça existem salas de uso para que os viciados em drogas, até que consigam largar o vício, possam usar as drogas em segurança, com seringas e materiais descartáveis com assistência médica para diminuir o risco de overdose e transmissão de doenças. Em todos os países que citei acima, existem clínicas de reabilitação, pasmem, públicas para os adictos. Devido a essa mudança de pensamento e de comportamento dos governos, muitas pessoas conseguiram largar o vício e hoje levam uma vida normal.

Os governos dos países europeus percebeu que declarando uma guerra às drogas e criminalizando os viciados só estavam aumentando ainda mais o uso de drogas, coisa que os Estados Unidos não perceberam ainda. No filme, são mostradas propagandas americanas anti-drogas antigas, que faziam um terror enorme em relação às drogas, dizendo que você morreria se fumasse maconha. Até a trilha sonora das propagandas lembra trilhas de filmes de terror. Isso fazia os jovens terem ainda mais vontade de experimentar maconha para provar que não iriam morrer fumando maconha, pagar pra ver mesmo. Aí viram que não iriam morrer e que era cool fumar maconha e começou a aumentar o consumo, principalmente nos anos 60, era da liberação sexual e do surgimento do Rock’n’roll. A verdade é: se drogar-se fosse ruim ninguém se drogava. Deve ser bom ficar em estado de nirvana, esquecer os problemas por alguns instantes. Digo deve porque nunca experimentei nem cigarro e nem pretendo experimentar nada. O fato é que viver é muito complicado e nem todos conseguem enfrentar os problemas e nem todos têm um escape relevante, então a droga entra como um belo escape.

Achei curioso também quando o Dráuzio Varella disse que todo consumidor de drogas é também traficante. Se formos parar para pensar, é verdade. Compradores e viciados oferecem a droga para outras pessoas que querem experimentar. Como ele mesmo afirmou, também é muito mais fácil uma pessoa só subir o morro, entrar em becos e ir até pontos de venda de drogas para comprar com traficantes do que 10 pessoas irem, já que a droga é algo criminalizado ainda em muitos países, incluindo o Brasil. Aí esta pessoa venda para todas as outras e às vezes cobra um pouco mais, pois percebe que assim a parte dela sai de graça ou quase de graça.


Nesses pontos, o documentário é muito bom, para esclarecer e informar. Mas, porém, contudo, todavia... Esqueceu-se de mencionar o caso brasileiro e como ele pode ser resolvido. Claro, porque não é do interesse do Governo brasileiro resolver isso agora e nem nunca. Para mim, os principais problemas relacionados às drogas aqui no Brasil são os mendigos e a saúde. Nos países da Europa, praticamente não há mendigos. Na Suíça, não existe mendigo. Quando estive na Espanha, só vi 2 mendigos durante toda a viagem – um em Madrid e outro em Barcelona. Só que aqui no Brasil há milhares de mendigos espalhados por todos os cantos das cidades de todo o país. Esses sem-teto, em sua maioria, são viciados em drogas, em principalmente em crack, e quase todos são criminosos, pois roubam, assaltam e agridem as pessoas, muitas vezes motivados pela droga ou pela falta dela, para conseguir mais droga. A saúde no Brasil é caótica, não há hospitais suficientes e os existentes não suprem nem de longe as necessidades da população. Clínicas de reabilitação públicas, então, são artigos raros; e os mendigos recolhidos sempre fogem, pois a maioria só os abriga para dormir. A grande questão é: de onde os mendigos vão tirar força de vontade para largar o vício? Se esses mendigos conseguirem se livrar do vício, o que eles vão fazer de suas vidas? O Governo vai dar moradia e emprego para todos eles? Quem vai querer contratar ex-mendigos ex-drogados? Por que os mendigos vão querer se tratar se sabem que o Governo não lhes dará nenhuma estrutura nem durante o tratamento, se houver tratamento? Se a saúde no Brasil é tão precária, imaginem as clínicas de reabilitação.

Foi uma cara de pau sem fim o FHC falando que na época que era Presidente não conseguiu pensar em nenhuma solução! Ora, ele fez faculdade de Ciências Sociais, se formou Sociólogo, passou 8 anos no cargo e não conseguiu pensar? Imaginem os Presidentes que o vieram depois e ainda virão. Além disso, ele como Presidente tinha contato com outros Presidentes do mundo. Se não conhecia todos, conhecia quase todos, e tinha informações frequentes de todos os países.

É como dizem por aí: nada se cria, tudo se copia. Os bons exemplos da Europa deveriam ser copiados pelo Brasil, mas falta boa vontade e honestidade políticas. Vários países em situação estável em relação às drogas e o Brasil nem começou a engatinhar. Vergonhoso.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

1º Sorteio do Blog!

Oi, gente!

Falei que o blog teria novidades em breve e aqui está a maior e mais legal delas: SORTEIO! Como estou viciada e adoro participar de sorteios, resolvi fazer um sorteio aqui no blog para vocês, meus queridos leitores e seguidores.

Vamos aos prêmios:

- Livros Feios e Perfeitos, do autor Scott Westerfeld



- 10 marcadores lindos (incluindo o de Perfeitos)



Para quem não conhece, estes livros fazem parte da série Feios, composta por 3 livros – Feios, Perfeitos e Especiais. Então se você não conhecia e leu nenhum deles, essa é uma ótima oportunidade de ganhar 2 livros da série!

Comprei o Perfeitos pela Internet, por isso está envolto em um plástico. O Feios comprei na livraria, então está sem plástico, mas novinho.

Agora vamos às regras do sorteio:

1ª) Ser seguidor público do blog (na lateral do blog);

2ª) Morar ou ter endereço de entrega em território brasileiro;

3ª) Ser maior de 18 anos ou ter autorização dos pais/responsáveis, pois precisarei do seu endereço para enviar;

4ª) Preencher o formulário abaixo (caso não consiga visualizar ou prefira abrir em outra página, clique no link do formulário):



Se você quiser ter CHANCES EXTRAS:

5ª) Seguir o blog no Bloglovin’ (+ 1 chance);

6ª) Seguir o blog pelo NetworkedBlogs, na barra lateral (+ 1 chance);

7ª) Seguir meu perfil no Twitter (+ 1 chance);

8ª) Divulgar o sorteio, no Twitter, Facebook ou Orkut (+ 1 chance para cada divulgação), apenas 1 vez em cada rede social, com a seguinte frase, incluindo o link:

Quero ganhar o Kit Feios + Perfeitos que o blog Pensamentos Ao Vento está sorteando! http://migre.me/4HjMi 


9ª) Divulgar no blog, utilizando a imagem abaixo – em forma de post, numa página de sorteios ou colocar o banner do sorteio na lateral do blog (+ 2 chances).



No total, serão 10 chances – 1 obrigatória e 9 extras. A cada chance, você poderá preencher o formulário mais 1 vez! Então, se você utilizar todas as chances, poderá preencher o formulário 10 vezes! Aproveitem!

Quem não seguir as regras, será desclassificado! Então, por favor, sigam, porque será muito chato ter que desclassificar alguém por não seguir e também injusto com quem seguiu todas as regras direitinho não desclassificar.

O sorteio será feito pelo Random.org e começa hoje, dia 1º de junho, e vai até 23:59 do dia 1º de julho, ou seja, vocês têm 1 mês para participar. Se não houver nenhum problema técnico, divulgarei o resultado dia 2 de julho.

Divulgarei o resultado aqui no blog e no Twitter e enviarei um e-mail para o (a) ganhador (a), que terá 48 horas para respondê-lo. Caso contrário, vou refazer o sorteio. O envio será por minha conta.

Este será o 1º de muitos sorteios que farei, e não necessariamente sortearei sempre livros, os prêmios serão variados, assim como o Pensamentos Ao Vento. Aposto que vocês vão gostar muito!

Então é isso, gente. Participem e divulguem o sorteio!

Beijos!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...