sábado, 29 de novembro de 2008

Eu, Eu Mesma e Ele


- Você ainda gosta dele né?
- Gosto, e muito...
- Não sei como você ainda pode gostar dele depois de tudo e sabendo que ele não te merece.
- Não sei, boa pergunta. Apenas gosto. Você acha que eu não preferia gostar de outro?
- Não sei...
- Talvez eu também não saiba. Por mais que eu queira gostar de outro, este outro não aparece. Parece que tem algo me impedindo de parar de gostar dele, sei lá. Todos os que passaram pela minha vida parecendo que iriam me fazer esquecê-lo, foram alarmes falsos. Aí já viu, né... Meus pensamentos continuavam voltados para ele.
- É, pode ser. Mas será que você quer mesmo não gostar mais dele?
- Por um lado, eu quero. Mas por outro, acho que não.
- Aí fica difícil!
- Eu sei, eu sei... O que você quer que eu faça?
- Que esqueça ele de vez.
- Se fosse fácil, já teria esquecido.
- Eu sei que não é fácil, mas é necessário. Você só sofre gostando dele.
- Eu sofro, mas gosto de pensar nele, me faz bem. Depois me faz mal, mas me faz bem por alguns instantes.
- E de que valem estes instantes?
- Não sei, mas me deixam feliz enquanto não acabam.
- Tome vergonha na cara e pare de pensar dele, cacete!
- E por que você não pára?
- Porque eu também não consigo.
- Ah, muito bonito né! Quer que eu esqueça, mas você também não o esquece!
- Que que eu posso fazer? Não consigo, também já tentei, mas...
- Sem êxito, já sei.
- Exato.
- Temos que nos esquecer dele juntas então, talvez seja mais fácil.
- É, quem sabe.
- Mas, por onde começamos?
- Não faço idéia. Como se esquece alguém? Pra mim, essa história de que o tempo faz a gente esquecer é balela.
- Até porque se fosse verdade, eu já teria esquecido ele.
- Pois é. Que merda isso né? Por que eu tinha que gostar logo dele? Não podia gostar de um cara mais fácil?
- Ele nem é dos meus tipos físicos favoritos... Quer dizer, ele está bem gostosinho, mas de resto não é, porque costumo gostar mais de loiros e ele é moreno, por exemplo. Além disso, eu sempre atraí as coisas mais difíceis.
- E desde quando o amor respeita os nossos gostos?
- Isso é verdade, não respeita mesmo; nem gosto, nem nada. Mas mesmo assim, acho ele lindo, do jeitinho que ele é, sem mudar nada.
- É, ele é lindo mesmo. Ai, ai... Mas, ei, vamos parar de pensar nele!
- É inevitável, só de querer não pensar, eu já me lembro automaticamente dele.
- É, eu também.
- Por mais safado que ela seja, ainda gosto dele; e por mais raiva que eu sinta dele, passa logo quando me lembro daquele sorriso perfeito e daquela voz.
- Você gosta tanto assim dele?
- O pior é que gosto. Aliás, você sabe que ele foi o cara de que mais gostei até hoje. Talvez por isso, também, seja tão difícil esquecê-lo.
- Com certeza. Esse fato complica tudo ainda mais.
- Então, o que eu faço?
- Não sei. Se você gosta mesmo dele, deveria correr atrás da sua felicidade, mas pode dar com a cara na porta mais uma vez. Você tem que estar preparada.
- Eu sei, eu sei... Por que as coisas não poderiam ser mais fáceis? Essa coisa de que o que é fácil não tem graça não cola pra mim. Eu gosto de coisas fáceis. Tudo pra mim é muito difícil! Poderiam ser um pouco mais fáceis, pelo menos. Eu gosto de desafios, mas tem hora que essa dificuldade toda cansa.
- Cansa mesmo. Também estou cansada.
- Logo eu que gosto de facilitar as coisas me defronto com as coisas mais difíceis. Isso é uma ironia, não?
- Nem tanto. Não dizem que os opostos se atraem?
- No meu caso, me atraio mais por coisas e pessoas que têm algo parecido comigo em alguma coisa, que tenham alguma afinidade. E, bem, no meu caso e dele, temos aquela química, como você bem sabe.
- Ô se sei...
- E eu sei que sou a mulher ideal pra ele, sabe; inclusive meu tipo físico o agrada bastante, ele não tem do que reclamar...
- Sim! Fora que você não é burra, retardada e infantil como a maioria das garotinhas mais novas que ele pega por aí né, não passa nem perto!
- Pois é! Será que ele não enxerga isso?!
- Se não enxerga é porque é cego, burro e bobo, só pode! Ou então só pensa com a cabeça de baixo e deixa a de cima no pause pra usar só de vez em quando...
- É, pode ser. Na verdade, todo homem é assim né... 99,95% é, e acho que ele está incluído nessa porcentagem, infelizmente.
- Mas fazer o que, não é? Ruim com eles, pior sem eles... E coração de mulher é igual a circo: sempre cabe mais um palhaço!
- E ele é o palhaço mais lindo que já entrou no meu coração, e já tem um lugar cativo nele.
- O que você acha que ainda pode acontecer?
- Posso ser boba pensando isso, mas no fundo ainda tenho esperança dele abrir os olhos um dia e perceber que eu sou a melhor opção pra ele e pra vida dele.
- Seria ótimo, pra você e pra ele!
- Pois é, pros dois. Agora basta só ele perceber, porque eu já percebi faz tempo.



“Mas o que é que tem
Se do lado esquerdo do peito
No fundo, ela ainda me quer bem.”
(Chico Buarque)



Ps: Gente, finalmente consegui trocar o layout do meu blog, como vocês já devem ter reparado! Era só fazer uma coisa que eu estava pensando em fazer, mas não sabia se ia dar certo. Bem, deu certo e aqui está o resultado! Eu adorei do novo visual do meu blog! E vocês, o que acharam? :)

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Problemas técnicos

Gente, estou escrevendo este post para explicar que o blog está todo podre, sem nada desse jeito, porque eu ia trocar o layout ontem, mas o Blogger safado cara de pau resolveu dar erro quando eu estava tentando trocar, então perdi tudo que estava nele! Aí só substituí algumas coisas mais fáceis pra não ficar sem nada. Em breve, espero, o blog estará todo repaginado! :D
Beijos a todos!

sábado, 22 de novembro de 2008

Desabafo.

Sabe quando parece que tudo está dando errado na sua vida, você se sente sozinha e não consegue resolver nada? Pois é, estou bem assim. Tô meio perdida, de saco cheio de tudo e de (quase) todos. Sempre tem alguma coisa interrompendo, atrapalhando para que algo não dê certo. Quando parece que finalmente que vai dar certo, pronto: acontece alguma coisa errada, sempre.



Vocês ainda não sabem, mas sexta-feira passada passei mal na faculdade, fui pro hospital, fiz uns exames e descobriram uma apendicite; tive que operar no sábado de manhã. Dei sorte que estava bem no início e não foi preciso uma cirurgia de emergência que me deixaria com uma cicatriz vertical enorme na barriga. Mas a sorte é algo bem relativo. Eu dei “sorte” da apendicite estar no início, mas em compensação dei azar de estar com ela e ter que operar. Eu preferia que esta sorte tivesse sido a de não ter ficado doente e de não ter que ter operado nada!

Por mais simples que seja essa cirurgia, o pós-operatório nunca é algo divertido. Por menos dor que você sinta, ainda sim ela está ali, cricri, te perturbando, te lembrando que esta lá e que você fez uma cirurgia e não pode abusar, de nada. Pra mim, a pior parte é não poder comer decentemente. Não posso comer nada que chegue perto de ter alguma mínima gordura, não posso comer alimentos com pedaços muitos grandes, muito temperados, e por aí vai. Ou seja, não posso comer quase nada de bom. Nunca consegui fazer dieta justamente porque não consigo ficar longe das comidas deliciosas gordurosas e agora não posso comer senão vai me fazer realmente mal. Também não posso abaixar nem fazer esforço de espécie alguma pra não forçar os pontos - e também porque dói. Isso é um saco, eu odeio depender dos outros pra qualquer coisa! Além disso, era pra eu ter feito 2 provas na quarta-feira e, logo em seguida, já estaria de férias, finalmente! Agora, terei que fazer essas duas provas e uma outra que não terminei porque estava passando mal na sexta. Ô perda de tempo, vou lhes contar...

É muito azar pra uma pessoa só! Queria distribuir um pouco esse azar pra mais gente, porque eu já estou cheia dele! Toda hora é uma merda que acontece. Por que eu não posso simplesmente viver em paz e resolver os meus problemas sem ficar doente?! Por que toda hora eu tenho que ficar doente e ser cheia de problemas de saúde?! Enquanto tem um monte de gente que quase não fica doente, ou nunca fica, eu tenho doença pra dar e vender. Toda hora é uma coisinha aqui, uma alergia ali, uma crise de gastrite/sinusite acolá, uma doença por lá... Nunca posso ficar em paz! Às vezes acho que, por algum motivo, não tenho direito a viver em paz, de forma normal. Nada na minha vida é normal! A normalidade é uma coisa boa quando o oposto nos faz mal. Estou precisando de muita um pouco de normalidade na minha vida. Eu só quero poder comer e beber o que eu quiser sem passar mal, poder planejar e concretizar meus planos sem ter nenhum problema de saúde como uma pedra no meu caminho pra me impedir. É pedir demais? Acho que não né.

Essas minhas doenças sempre atrapalham a minha vida social. SEMPRE. É impressionante! É só aparecer eventos legais pra ir, que já vem alguma coisa à frente. Por exemplo, essa semana perdi a última festa do período da faculdade e vou perder uma festa de aniversário. Várias vezes já fiquei doente perto de aniversários e festas fodas. Parece que atrai, sei lá! Fiquei doente (acho que foi uma virose, não lembro bem) perto do show dos Backstreet Boys quando tinha 10 anos e não pude ir. Como eu chorei porque minha mãe não deixou eu ir, eu já estava praticamente boa! Já deixei de ir numa festa de formatura que já tinha comprado o convite e fui obrigada a vender às pressas, em cima da hora. Já quase passei o ano novo em casa por causa de dor, mas acabei ignorando um pouco a dor e indo. Enfim, já deixei de fazer de tudo por causa desses problemas inconvenientes de saúde. Alguém deve ter feito macumba pra mim, botado olho grande e gordo, feito voodoo, sei lá, mas há algo de muito errado nisso tudo, não podem ser meras coincidências. Eu pelo menos não acredito nisso. Sempre há uma causa para tudo o que acontece com a gente, eu só não descobri ainda qual (ou quais) a causa pra eu ter tanto azar. Só sei que eu tô mais do que cansada de toda essa maldita interrupção em todos os meus planos, atrasando a minha vida o tempo todo. Eu não mereço isso!

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Blog, voltei!

A cada dia que passa, eu me supero. Consegui bater mais um recorde: 2 semanas sem postar! Já tava com saudade daqui, da minha vida blogueira-virtual e de ler e comentar nos meus blogs queridos! Mas como tudo tem uma explicação, eu também tenho uma para o meu desaparecimento, e chama-se provas e trabalhos individuais em grupo. Essa semana começaram as provas e eu estava cheia de trabalhos enormes pra fazer, mas agora eu tô de volta! o/

Novidades? Entro de férias dia 20/11. Isso mesmo - daqui a 1 semana! Nem estou ansiosa, imaginem! Tô precisando mesmo descansar a minha cabeça da faculdade e de todas as responsabilidades que ela me deu. Tem certas coisas que estão me fazendo mal e preciso dar um tempo nisso. Eu tento entender, mas quando mais eu penso, menos eu entendo. Não sei se eu que sou responsável demais, ou os outros é que são vagabundos irresponsáveis demais. Alguém nessa história tá demais, ou quem sabe até errado; só não sei quem. Alguém me ajuda a solucionar isso na minha cabeça?

Como cérebro cansado é igual a cérebro sem inspiração, vou deixar um trechinho, que eu adoro, de Clarice Lispector pra vocês:


“Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para a frente.
Foi o apesar de que me deu uma angústia que insatisfeita fui a criadora de minha própria vida. Foi apesar de que parei na rua e fiquei olhando para você enquanto você esperava um táxi. E desde logo desejando você, esse teu corpo que nem sequer é bonito, mas é o corpo que eu quero. Mas quero inteiro, com a alma também. Por isso, não faz mal que você não venha, esperarei quanto tempo for preciso.”
(Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres - Clarice Lispector)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...