sábado, 27 de setembro de 2008

Sobre dias de chuva e coisas estranhas


Ontem o céu caiu por algum tempo aqui no Rio de Janeiro, e Murphy conspirou contra mim, pra variar. Quinta-feira saí de casa com uma blusa de manga comprida, um casaco bem quente e com meu tênis mais resistente à entrada de água. Me ferrei: no intervalo das aulas já estava fazendo sol. Já ontem, fui com uma blusinha de alça, uma casaco não tão quente e um tênis branco porque pensei “ontem saí cheia de coisa quente e fez mó calor, hoje também deve ser assim”. Que nada! Estava é chovendo pra caramba! E pra piorar, ainda esqueci meu guarda-chuva em casa! Fui obrigada a comprar um guarda-chuva vagabundéééérrimo de R$ 5,00 em frente à faculdade de um cara que não tinha 5 reais pra me dar de troco por R$ 10,00. Fui trocar o dinheiro na papelaria em frente e quando abri o objeto que acabei de adquirir, ele estava quebrado! A minha sorte é que eu ainda não tinha dado o dinheiro ao cara, aí ele foi obrigado a trocar. Quando fui pedir pra ele trocar, ele ainda falou na maior cara-de-pau: “eu sabia que você ia reclamar, daqui de longe eu vi você abrindo com força...”. Pô, ele queria que eu fizesse carinho e dissesse palavras doces para abrir o guarda-chuva em pleno desabamento de céu? Hahaha

Depois desse episódio, preciso dizer que odeio chuva, não gosto mesmo, nem um pouco. Por mim, o ano todo seria verão e nunca cairia uma só gota de chuva. A única utilidade da chuva é atrapalhar a minha vida. Como disse meu professor de Marketing outro dia: "quando chove, o pessoal de Niterói parece que derrete, ninguém sai de casa!" Bem, eu não moro em Niterói, mas eu também derreto. Quando chove, minha vida pára. Eu olho aquele tempo broxante, aquele céu cinza pela janela e já perco a vontade de sair de casa e de fazer qualquer coisa que me exija energia, cheia de preguiça. Só de pensar em sair de casa toda encasacada, passar frio, espirrar, ainda me molhar toda – quando não fico com o pé encharcado-, já fico desanimada de sair. Resultado: mais um final-de-semana perdido. Sim, eu sou meio velha. Estou acordando muito cedo todos os dias para ir à faculdade sem dormir à tarde e dormindo pouco à noite, e isto me deixa extremamente cansada. Eu realmente não nasci pra acordar cedo. Meu sonho é arrumar um emprego noturno que não seja operária de fábrica, segurança noturna e prostituta, que fique bem claro pra poder dormir tarde e acordar tarde. A noite é muito mais produtiva e mais legal do que a manhã.

Mas voltando ao assunto da chuva... Uma coisa que me irrita em dia de chuva são pessoas andando lentamente, ou melhor, se arrastando. Quando chove, as calçadas ficam molhadas, certo? E, com isso, criam-se enormes poças de água, por onde os carros e as motos adoram passar para molhar os pedestres. E eu não acho legal ser molhada por águas de esgoto lamacentas! Então pessoas lerdas, se toquem e andem mais rápido em dias chuvosos, porque eu não consigo passar por cima de vocês! Se vocês gostam de serem molhadas pelos carros/motos, legal pra vocês, respeito esse (estranho) gosto, mas eu não acho divertido, ok? Então respeitam o meu gosto de ficar limpa e sequinha também e andem mais rápido!
E quando as vovós ou empregadas ficam com aquelas crianças com uma capa de chuva enorme mais um guarda-chuva se arrastando na rua e tomando toda a calçada? Quando dá para ultrapassá-las pela rua, beleza, mas e quando não dá? Aí é respirar fundo e contar até mil para ser educada e não empurrar ninguém. Às vezes eu queria ser mal-educada, mas é contra os meus princípios. Viu? Sou uma menina de família. (A) hahaha

Sabem o que eu acho estranho? Pessoas que dizem não gostar de guarda-chuva. Legal é ficar molhado, gelado, gripado e com febre né? Hum, claro, entendo. Concordo que andar com guarda-chuva não é uma das coisas mais agradáveis do mundo, mas também não é o fim do mundo. Há gente que prefere ficar doente a ter que usar o guarda-chuva. Na verdade, o que elas não gostam é do trânsito de guarda-chuvas na rua. Se você é bem alto, não há problema, pois seu guarda-chuva baterá em muito poucos outros e em pouquíssimas pessoas. Já se você é pequeno (como eu), aí seu guarda-chuva baterá em vários outros e em algumas pessoas. Eu consigo me desviar bem da galera, mas algumas vezes não tem como. Uma vez uma mulher meteu a cara no meu guarda-chuva e eu quase caí. Sim, foi ela que meteu a cara no pobre do meu guarda-chuva! Levei um susto, o guarda-chuva balançou, eu me desequilibrei e quase caí. Mas então... Quando há muitas pessoas com guarda-chuvas na mesma calçada é complicado, porque um bate no outro, temos que esperar a outra pessoa passar para passarmos, etc. Legal também é quando está ventando tanto que o guarda-chuva começa a virar e quase te leva junto com ele. Hahaha


Outra coisa que me faz odiar dias chuvosos é andar de ônibus. Como vocês já viram aqui, eu tenho problemas com ônibus. Vocês riram bastante com as situações tragicômicas por que passei, afinal pimenta só arde no olho dos outros hahaha. Hoje em dia até eu rio, aliás.
Mas voltando ao assunto, uma coisa que me deixa agoniada em andar de ônibus em dia de chuva é que as pessoas fecham todas as janelas do ônibus. Fica todo mundo lacrado naquele ar quente e viciado! Às vezes chega a ser sufocante, principalmente quando está lotado. Tudo bem que está chovendo e ninguém quer se molhar, mas deixe uma frestinha aberta pelo menos senão fica insuportável lá dentro, garanto que não vai matar. Você sai de casa de casaco, entra num ônibus desse e começa a suar lá dentro por causa das pessoas loucas que trancam tudo. Quando o ônibus tem ar condicionado tudo bem, mas quando é dos normais 'quentões', não dá!
Se tiver alguém com uma doença que passa pelo ar lá dentro, você quase com certeza ficará doente. Se você tiver claustrofobia, terá uma crise lá dentro. Se você tiver problemas com glândulas sudoríparas, sairá de lá molhado de suor. Se você passar mal com muito calor, passará mal lá dentro. Bem, vocês já entenderam o quanto é horrível ficar dentro de um ônibus todo lacrado sem ar condicionado, não é?

Enfim, dia de chuva é uma merda. Tudo o que é bom fazer em dia de chuva eu e a maioria da população do mundo não podemos fazer, porque temos colégio/faculdade/trabalho, acordamos cedo e temos responsabilidades. Deveria ter uma lei para a cidade toda parar em dias chuvosos. Tipo a ciesta, mas o dia todo, não só à tarde. Ia ser bom poder dormir até tarde, ficar o dia todo vendo filme e comendo embaixo do edredon em vez de ir estudar/trabalhar, não ia? hehehe

Ps¹: Eu sei que ninguém se importa, mas tirei praticamente 9,0 (7,5 em 8,5) no meu trabalho de Arte e Comunicação e a professora adorou a imagem que eu criei para a frase da Clarice Lispector. Até colocou uma observação no trabalho falando dela! Very cool! =)
Ps²: Hoje é dia de São Cosme e Damião e não ganhei nem um docinho sequer. Aliás, não ganho há anos. Só por que não sou mais criança, poxa? =/

Update

Só agora vi que a Nadezhda me indicou 2 selos! Um deles eu já tenho, então vou repassar só o outro.

Este vai para:

Pequeno LP
Mary West
Ariana
Lays

domingo, 21 de setembro de 2008

Uma Quase-Liberdade

Avatar de mim mesma feito por mim no FaceYourManga.com

Um novo recorde: 10 dias sem postar! Eu poderia ter postado sexta ou ontem, mas estava tão esgotada que não consegui. Dizer que eu estava só cansada é puro eufemismo.

Minha semana de provas e trabalhos chegou ao fim! Quer dizer, a um quase-fim. Por quê? Porque ainda tenho uma prova essa quinta-feira e um trabalho (em grupo ¬¬) insuportável pra fazer pro dia 29/09. Tudo bem, pelo menos agora estou mais livre. Essa semana de provas foi a mais intensa que já tive até agora! Muita matéria e muito pouco tempo para estudar, trabalhos chatos e trabalhosos para fazer para entregar na mesma semana, muitas pessoas que não fazem nada, ou seja, muito trabalho e muita canseira pra mim. Mas no final deu tudo certo: meu trabalho de Arte e Comunicação ficou lindo claro, eu o fiz praticamente inteiro sozinha! Agora é esperar as notas né de tudo... ah, a agonia da espera!

Peguei uns filmes na sexta e só assisti 1 até agora, Dançando No Escuro, um filme dinamarquês com a Björk como protagonista. É um misto de filme musical, mas não completamente, porque musical geralmente tem mais cenas dançantes musicais que cenas de um filme propriamente dito. Esse tem só algumas cenas musicais, pois a Selma (Björk) vive num mundo de fantasia que é um musical. Ela tem uma doença genética que a vai deixando cega gradativamente e não quer que seu filho tenha o mesmo destino, então vai morar nos EUA e economiza dinheiro para pagar a cirurgia do menino. Só que depois ela é acusada injustamente de um crime e sua vida dá uma reviravolta. O filme é meio monótono, mas é bom. E, bem... eu nunca chorei tanto num filme em toda a minha vida. Nunca fui de chorar em filme, acho besteira. Até hoje, só chorei em 2 filmes, sendo que só caiu uma lágrima em um e duas no outro. Mas no final desse, eu me debulhei em lágrimas, foi bizarro! Apesar dessa minha sessão sensibilidade repentina, vale a pena ver o filme. É difícil de achar, mas tentem.

Mais uma vez, ninguém tentou desvendar o vídeo dos posts anteriores ou não conseguiu abrir. Mas o abraço virtual ainda está valendo pra quem conseguir. Hahaha

Selinho!
A Ariana me deu este selinho. Muito obrigada, linda! :)


Repasso para:


Upadate:
Acabei de ver que ganhei um selo da Tatah. Lindo o selo, amo borboletas! Obrigada mesmo! :)


Repasso para as mesmas pessoas do outro selo.

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Esclarecendo.

Uau, 8 dias sem postar! Superei-me. Vou explicar os motivos:


Ando sem muita imaginação para escrever textos no blog;

Semana que vem é a semana de provas da faculdade, ou seja, necesito estudiar;

Muitos e muitos trabalhos - que os professores passam em cima das provas por sinal malditos - demorados e complicados, em sua maioria e todos em grupo, o que piora ainda mais a situação;

Falta de paciência com a internet ultimamente. Não estou querendo saber nem de MSN;

Passei mal o sábado inteiro por causa do meu estômago inconveniente uhull ¬¬;

Estou super estressada e irritada desde terça-feira. Por quê? Por vários motivos, mas o principal : meu grupo de trabalho não faz quase nada ou até nada e fica tudo - ou quase tudo - nas minhas costas, ainda mais porque não gosto de deixar na mão dos outros, pois sei que com os meus perfeccionismo, detalhismo e capricho os trabalhos ficarão melhores;

Tenho 2 trabalhos para entregar semana que vem, bem em cima das provas, olhem que legal! Pelo menos não são tão complicados... Porém, outros 2 são complicados e mal começamos (eu e meu grupo) a fazê-los;

Além do que acabei de citar, mais um motivo para eu não deixar os meus trabalhos em mãos alheias, motivo esse que me deixa abismada: das pessoas da minha turma, as que eu já vi algum texto, todas escrevem mal. Mas não é mal de não ter imaginação, é algo mais grave: é mal por cometerem erros boçais e espantosos de português. Não sabem usar vírgulas, pontuar, usar crase (!!), escrevem palavras de forma errada (tipo anCioso, e daí pra baixo), ou seja, não sabem escrever. Agora me expliquem, por favor, porque eu não consigo entender: por que cargas d'água pessoas que são péssimas em português escolhem fazer faculdade na área de Humanas? Pior ainda, fazer Comunicação Social? Não sabe português, vai fazer algo na área tecnológica, ué. Não sabe matemática, é? Ih, então não dá nem pra fazer nada na área biomédica, pois nessa área algumas das disciplinas universitárias são cálculo e física. O que fazer então? Hum, vamos pensar... Acho que educação física é uma boa escolha. Vire personal trainer e exercite seus músculos, porque os do cérebro estão fracos. Outra opção é fazer Belas Artes (que eu adoro, por sinal), aí é bom que as pessoas só pintam, desenham, esculpem, etc. e não escrevem besteiras. Fiquei revoltada com o que fizeram com um trabalho meu essa semana! Só porque eu não fiz uma revisão, saíram vários erros de português em pouquíssimas palavras em 3 peças publicitárias! Algo simples se transformou num monstro contra a ortografia. Não entendo como as pessoas fazem os trabalhos de qualquer jeito sem se importar, afinal elas precisam de nota pra passar de período, e a maioria dos professores não é boazinha nem dá nota de graça. Pagar faculdade que você mesmo escolheu pra levar nas coxas é foda, minha gente.

Agora mudando de assunto...



No post passado, deixei este vídeo para vocês verem e tentarem decifrar. Só o LP se manifestou a respeito dele, mas infelizmente não descobriu o seu mistério. Vejam, é muito legal, além de genial! Quem conseguir descobrir o que há por trás dele, ganha um abraço virtual meu, olha que carinhoso! hahaha
Mas é sério, vejam o vídeo. Suas vidas irão mudar depois de vê-lo. Se não mudar, pelo menos alguns de seus conceitos serão mudados.
Só não vale a Cacá contar nos comentários, porque eu já falei pra ela o que é =P

Beijos e até o próximo - e talvez distante - post! o/

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

A arte da convivência

"A arte de viver é simplesmente a arte de conviver... simplesmente, disse eu. Mas como é difícil!" (Mário Quintana)

Conviver com a sociedade não é fácil, ainda mais quando todas as pessoas que a compõem são tão diferentes umas das outras. Cada um possui um caráter ou não possui, mas aí já é outro caso, uma personalidade, um jeito de falar, de se expressar, uma maneira de pensar, de encarar as situações, de ver o mundo e a vida. Há pessoas que são muito parecidas, até quase iguais, mas cada uma tem a sua particularidade que a diferencia de todas as outras. São essas diferenças que tornam a vida e a vida em sociedade mais interessante.

Se todos fossem iguais, por um lado seria bom, pois não haveria brigas, discussões e haveria mais paz no mundo já que todos pensariam e agiriam igual; mas por outro, seria muito chato, porque, afinal, quem iria movimentar essa manada? Haha
Existem pessoas de que não gostamos, que não suportamos, que nos sacaneiam, que são falsas conosco, que nos fazem sofrer; e nós também fazemos isso com outras. E são esses conflitos que dão mais emoção à vida. Imagina se nada de ruim acontecesse, se nós déssemos bem com todo mundo e não tivéssemos problemas? De onde viria aquela felicidade pós-problema-resolvido? Eu detesto ter e ter que resolver grandes problemas, mas às vezes eu penso que a vida não teria tanta graça sem alguns (eu disse: apenas alguns!) deles para dar uma balançada em mim, seria muito parada e monótona; e eu detesto monotonia, me dá pleno tédio.

É legal viver em sociedade. Admito que gostaria que algumas pessoas não existissem, mas faz parte aturá-las e isso me ensina a lidar com vários tipos de pessoas diferentes sem precisar brigar, a amadurecer e a ficar mais esperta. Viver é um constante aprendizado, nunca paramos de aprender. Além disso, as pessoas de que gostamos (e que gostam de nós também, claro) compensam a presença indesejada das pessoas desagradáveis, e nos ajudam a conseguirmos aturá-las. Não só de pessoas chatas é composta a Terra. Se assim fosse, aí sim a convivência seria insuportável. Felizmente, existem pessoas com quem possuímos afinidades e que nos ajudam a aprender, de forma mais amena, sempre mais sobre a difícil arte da convivência, afinal, mesmo nos dando bem com elas, também possuímos nossas diferenças.




Ps¹: O LPzinho fez uma homenagem pra mim em seu blog. Como fiquei super feliz, precisava postar aqui! Obrigada mais uma vez, meu amigo! :)

Ps²: Hoje na aula de Introdução à Comunicação, o professor mostrou um comercial extremamente genial, então decidi compartilhar com vocês. Quem conseguir desvendar o comercial ganha um chiclete! =P


Ps³: Por falta de tempo devido aos vários trabalhos da faculdade e ao fato de eu precisar estudar, não estou conseguindo responder todos os comentários, mas prometo que aos poucos vou respondendo todos!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...